agosto 23, 2010

Mercado? Academia? Só amanha!

Amanha é dia de pesar e postar o cardápio de hoje no site do desafio.

O fim de semana foi agitado apesar da garganta incomodar e muito! City tour por bares de Salvador, comendo mais que bebendo. Iguarias típicas daqui: escondidinho de camarão, caldo de sururu, sorvete de tapioca, bolinho de peixe ao som do samba de roda. Pelo menos foram petiscos divididos por todos, menos calorias pra mim!

Mercado? Academia?Só amanha!

Por falar em academia, os meus horários trocados me fazem pensar seriamente em ter uma mini-academia em casa, apesar de morar num prédio que tem um condomínio astronômico, a academia daqui é acabadíssima!

Academia em casa

Para quem está com a agenda apertada, mas com o orçamento de folga, ter uma academia na sala ao lado, dentro de casa, pode ser uma alternativa prática, que ainda permite um treinamento personalizado e mais adaptado às suas necessidades e ao seu preparo físico. No entanto, antes de sair por aí comprando equipamentos e acessórios, sem a orientação de um profissional, o futuro praticante corre o risco de gastar mais do que deve e ainda pode adquirir itens supérfluos.

“Supondo que você queira fazer um investimento financeiro baixo e não tenha grandes experiências com a atividade física. Então, não vai comprar equipamentos mais pesados, mas, sim, peças como elástico, uma fitball e alguns halteres com diferentes pesos”, explica.

Para quem está começando, o especialista recomenda a compra de pares de halteres com peso fixo, colchonete, fitball, bandagens elásticas e uma corda de pular. “Esse seria o mínimo indispensável para que a pessoa consiga fazer alguma atividade física”, comenta, acrescentando que o custo, neste caso, ficaria entre R$ 400 e R$ 500.

À medida que vai progredindo, o praticante precisa acrescentar mais aparelhos à sua academia particular. Na fase intermediária, o ideal é ter o aparelho multifuncional, que reúne várias estações com propostas de oito, dez ou até 12 exercícios. “Além disso, uma bicicleta ergométrica ou esteira ergométrica”, O gasto pode saltar para algo em torno de R$ 8 mi.

Para um nível mais avançado – não só na parte física, mas também na financeira – o praticante pode colocar os chamados equipamentos modulares, que exigem um espaço maior, para acomodar quatro, cinco ou até seis deles. “Tem um módulo em que ele pode fazer a flex extensão do joelho, por exemplo, um outro módulo que faz as puxadas e remadas, um outro módulo que faz o trabalho de peitoral e deltóides. São equipamentos segregados, sendo que cada um pode executar alguns movimentos, mas não tantos como os funcionais”, explica Moscatello.

Fonte: infomoney

Nenhum comentário:

Postar um comentário